…Embora por vezes se pense que os brinquedos promovem o materialismo nas crianças (o que pode ser verdade quando há a sua compra desmedida e a substituição de afeto por brinquedos!), importa contudo salientar que brincar é a atividade primordial da infância, promotora e facilitadora do desenvolvimento integral das crianças.

Importa ainda relembrar a Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) que afirma: “(…) todas as crianças têm o direito de brincar e divertir-se cabendo à sociedade e às autoridades públicas garantir-lhe o exercício pleno desse direito”.

O Dia Mundial da Criança aproxima-se e os pais esforçam-se por encontrar um brinquedo para o seu filho, no entanto, esta tarefa pode revelar-se difícil… Importa, antes de mais, referir que o brinquedo “ideal” não existe e a escolha do brinquedo irá depender da fase de desenvolvimento da criança, dos seus gostos e preferências…

Muito importante, o brinquedo deve ser simples para permitir à criança o livre curso da sua imaginação, criatividade e abstração, e para possibilitar que a riqueza derive do fluxo de ideias e imaginações da própria criança.

Seguem-se algumas sugestões que poderão orientar a escolha do brinquedo mais adequado de acordo com a idade da criança.

 

1 Ano

Por esta altura a motricidade desenvolve-se, pelo que são indicados os brinquedos que permitam a estimulação da coordenação motora. A criança vai adquirindo também a capacidade de agarrar objetos, pelo que se tornam escolhas acertadas os brinquedos que possam estimular esta competência.

Recomendam-se os brinquedos de montar (por exemplo, brinquedos com formas e cores diversas que se encaixam uns nos outros, blocos de construção, cubos de empilhar), bolas que possam ser agarradas, carrinhos e camiões, chaves coloridas de plástico que fazem barulho, animais de cores vivas e estimulantes, livros de imagens simples, etc. A criança vai adquirindo a capacidade de agarrar em lápis ou canetas, pelo que poderá demonstrar interesse em “rabiscar” se lhe for dada esta oportunidade.

O interesse por objetos que fazem parte da vida dos adultos, bem como a curiosidade em fazer experimentações vão crescendo (por exemplo, mexer nos botões de um comando, mandar objetos ao chão, etc.), pelo que os brinquedos que simulam os objetos de uso diário (também para que a criança não procure os reais!) podem constituir uma escolha acertada.

Quando a criança começa a andar, começa também a demonstrar interesse em dançar, balouçar-se, trepar, etc. Nestes casos um “ginásio” onde a criança possa subir, trepar, saltar, etc., ou um carro que se mova com movimentos de pés (de preferência sem excessos eletrónicos ou motor) podem constituir escolhas adequadas.

 

2 Anos

Os 2 anos marcam um período de grande desenvolvimento das competências motoras, pelo que a criança pode manifestar gosto em andar num triciclo ou em chutar uma bola. Os brinquedos de pedalar, andar ou puxar são, por isso, escolhas acertadas.

Uma vez que as crianças desta idade manifestam muito interesse e curiosidade em “mexer em tudo!” (desde botões a interruptores), os brinquedos em que puxar ou carregar num botão desencadeia algo (por exemplo, o som de um animal, uma melodia, etc.) são muito apreciados. Os brinquedos que produzem sons como flautas, pianos, xilofones, tambores, etc. são também apreciados e constituem escolhas adequadas.

Nesta idade as crianças continuam a mostrar gosto e interesse pelos blocos para construção, brinquedos de formas e cores diversas, bonecos, carrinhos, lápis e canetas, mas podem também começar a demonstrar interesse por puzzles (simples!) e livros ilustrados (histórias simples!).

 

3 Anos

Aos 3 anos as crianças manifestam geralmente interesse pelo desenho, pintura, plasticina, moldagem e colagem. Estas atividades constituem não só formas de entretenimento, mas também e fundamentalmente formas de expressão de ideias e conceitos que ainda não têm lugar na linguagem.

Neste período de desenvolvimento a criança demonstra grande agilidade e à vontade em correr, saltar e trepar, havendo interesse por equipamentos como aqueles que se encontram em jardins ou parques infantis. A criança começa a manifestar igualmente interesse em brincar com outros. Surge o interesse pelas brincadeiras “faz-de-conta” e pelo teatro que permitem à criança a representação simbólica da vida real.

Nesta fase podem ser também introduzidas histórias mais complexas, como contos ou fábulas infantis (por exemplo, o Capuchinho Vermelho ou o Gato das Botas).

Os puzzles, bonecos, carrinhos, equipamentos de cozinha ou de construção (em plástico!) são adequados e muito apreciados nestas idades.

 

4 e 5 Anos

Nesta fase a criança desenvolve a sua capacidade de descodificar letras, números e outros símbolos, tornando-se adequados os jogos de aprendizagem de letras e números (simples!). Dá-se também um desenvolvimento significativo da criatividade e imaginação, pelo que os jogos de construção, teatro, marionetas e fantoches são adequados.

O interesse por jogos coletivos aumenta tornando-se escolhas adequadas os jogos de equipa (com regras simples!). A destreza física também se desenvolve mais nesta fase pelo que os brinquedos que estimulem os trabalhos manuais são indicados.

As bonecas e casas de bonecas, carrinhos e pistas de carros, triciclo ou bicicleta e livros de histórias são igualmente apreciados e adequados nestas idades.

A televisão e os jogos de consolas são muito apreciados, contudo, a sua utilização deve ser limitada ao mínimo por forma a dar primazia aos brinquedos que promovem a ação e a atividade (no sentido de manter a criança ativa e em movimento) e que estimulam a criatividade e a imaginação, dando à criança a liberdade de criar e inventar por ela própria.