Estamos em Dezembro e aproxima-se o tão esperado e desejado Natal para as crianças (mas também para muitos adultos)! Esta é tipicamente uma época mágica envolta em paz e alegria, mas também uma altura de excessos, nomeadamente, no que diz respeito à alimentação… Bolo-rei, biscoitos, filhoses, sonhos, fatias douradas, chocolates e bombons são apenas alguns exemplos da infindável lista de doces típicos da quadra natalícia que fazem as delícias de pequenos e graúdos!… É verdade que o Natal não tem o mesmo “sabor” sem a doçaria típica desta época, no entanto, não devemos esquecer a importância da moderação na alimentação, particularmente quando falamos da saúde de crianças.

Para que consiga encontrar algum equilíbrio no consumo de alimentos doces por parte do(s) seu(s) filho(s) nesta época propícia a excessos, aqui ficam alguns conselhos e sugestões.

 

Controlar a disponibilidade e o acesso aos alimentos doces

As crianças mais pequenas não percebem porque faz mal ingerir muitos doces. Se os doces estão disponíveis ou acessíveis e a criança os aprecia, ela não entende porque não os pode comer. Desta forma, para além de ser necessário explicar à criança que a ingestão de doces pode fazer mal (utilize explicações simples e concretas como “podem fazer dores de barriga” ou “podem fazer mal aos dentes”), é importante tê-los disponíveis e acessíveis em casa apenas nos dias e momentos festivos (por exemplo, na ceia de Natal, no dia de Natal e até um ou dois dias depois do Natal).

Manter a criança na presença dos alimentos doces e proibir a sua ingestão constituirá uma frustração para a criança. Pelo contrário, manter estes alimentos fora da visão da criança pode fazer com que ela nem se lembre deles. Aproveite para introduzir sobremesas com fruta, dando atenção à sua apresentação. Por vezes, uma simples alteração na forma como a fruta é apresentada basta para que a criança a aceite melhor (por exemplo, tarte de maçã, espetadas de fruta, batido de frutos vermelhos, salada de fruta, etc.).

 

Doces caseiros são os mais saudáveis

Os alimentos preparados e confecionados em casa garantem às crianças uma alimentação mais saudável e equilibrada nesta quadra. Ausentes de aditivos, corantes e conservantes, os doces por si confecionados tornam-se assim os mais saudáveis para o(s) seu(s) filho(s)… e não é raro vermos crianças a elegerem os doces caseiros da mãe, do pai ou da avó como os seus preferidos!

Tenha em conta a moderação no que respeita à utilização de açúcar, sal e gorduras (óleos e margarinas) na preparação de bolos, sobremesas, salgados e fritos, pois as crianças facilmente se habituam aos sabores muito doces e salgados, hábitos estes que determinam a preferência por este tipo de alimentos. Como já lhe dei conta anteriormente, pode também preparar sobremesas muito saborosas e saudáveis com fruta. Dê preferência à fruta natural ou aos frutos secos e evite as frutas cristalizadas.

Aproveite para juntar a família na preparação e confeção dos doces natalícios. Os seus filhos poderão ser uma importante e agradável ajuda! Torne a preparação dos doces uma experiência lúdica e didática para os seus filhos e desfrutem de momentos divertidos e saborosos!

 

Regras na ingestão de alimentos doces

É muito importante estabelecer regras no que respeita à alimentação das crianças, particularmente nesta época propícia ao consumo excessivo de alimentos hipercalóricos. A criança deve perceber que existe um horário específico e momentos concretos em que é permitido o consumo de alimentos e que será inútil fazer birras para conseguir obter, nomeadamente doces, noutras ocasiões.

Os pais não devem quebrar as regras, não cedendo às birras e aos pedidos da criança para além do estabelecido, pois no caso contrário a criança perceberá que as birras e os pedidos incessantes são uma “boa” forma de transpor as regras e conseguir o que deseja.

 

Oferecer doces não é sinónimo de dar amor…

Oferecer doces e, como resultado, obter um sorriso da parte dos filhos ou netos não é sinónimo de se estar a proporcionar o melhor às crianças. Dar doces na forma de amor e compreensão pode tornar estes alimentos um refúgio para as crianças quando estas se sentem carentes de amor e compreensão.

Sabe-se que a ingestão de alimentos doces provoca a libertação no cérebro de serotonina e dopamina – substâncias que são responsáveis pelas sensações de prazer e bem-estar. Isto pode reforçar a ideia da criança de que a ingestão de doces é uma “boa” forma de conseguir sentir-se melhor quando se sente triste ou carente. Como tal, o melhor é evitar oferecer doces como expressão de amor ou ternura e substitui-los por verdadeiros gestos de carinho como um abraço, um beijo ou simplesmente um “gosto muito de ti”.

 

Equilíbrio na ingestão de alimentos

Identifique os alimentos (doces e/ou salgados) que o(s) seu(s) filho(s) mais gosta(m) e distribua o seu consumo por dias e/ou refeições diferentes. Evite a ingestão simultânea pelo(s) seu(s) filho(s) de diversos alimentos hipercalóricos e alterne a ingestão destes com outros alimentos mais saudáveis.

Sabia que o que torna os doces tão especiais para as crianças é, para além do seu agradável sabor, o facto de estes serem geralmente apresentados em contextos muito positivos, como festas ou celebrações? Pois é, as festas estão geralmente repletas de doces e isto contribui para que estes alimentos se tornem muito especiais para as crianças. Por isso, na preparação de bolos e sobremesas para celebração deste Natal considere a introdução de fruta (por exemplo, tartes de fruta) e de vegetais ou legumes (por exemplo, filhoses de cenoura ou abóbora). Poderá, desta forma, contribuir para que a fruta e os vegetais se tornem mais atraentes e aceites pelo(s) seu(s) filho(s). Uma pitada de criatividade na preparação de sobremesas mais saudáveis ajudarão a soltar um sorriso no(s) rosto(s) do(s) seu(s) filho(s) e um “sim mãe, eu quero provar!”.

Se controlar o consumo de alimentos hipercalóricos por parte do(s) seu(s) filho(s) ao combinar e/ou alternar a ingestão de alimentos calóricos com alimentos mais saudáveis, estará a contribuir para que o seu filho desfrute do agradável sabor dos alimentos de forma mais equilibrada, sem comprometer a sua saúde.

 

Crianças ativas nas férias do Natal

Na altura do Natal as crianças estão de férias e muitos pais gozam igualmente alguns dias de descanso. Todavia, o frio não deve servir de desculpa para ficarem em casa, a passar o tempo com atividades sedentárias, como ver televisão e/ou jogar computador.

Aproveite para dar passeios a pé com o(s) seu(s) filho(s) e apreciem os enfeites e as iluminações de Natal que decoram as ruas e que nos envolvem no clima natalício. Aproveite ainda para presentear os seus filhos no Natal com jogos didáticos que os ponham em movimento nos dias mais frios, pouco convidativos a sair de casa. Desta forma, ao mesmo tempo que se divertem, poderão perder algumas das calorias ingeridas!

Votos de um Natal Muito Feliz e Saudável!